Somos todas Dilma

Por Juliana Rocha

BuzzFeed

BuzzFeed

Do que nós mulheres nunca nos livramos, nem andando na rua, assistindo a um filme, vendo televisão, ou apenas existindo em casa, com a nossa família? Acertou quem respondeu machismo. Não há nada que façamos sem que não sejamos atingidas por isto. Muitas vezes vem bem temperado com misoginia, gordofobia, lesbofobia. Outras vezes é passivo-agressivo, come pelas beiradas, só para lembrar, o tempo todo, que não estamos em pé de igualdade.

Por que haveria de ser diferente nesta campanha eleitoral?

E não está sendo. Muito pelo contrário, a campanha está sendo pontuada por misoginia e machismo extremos.

No primeiro turno tínhamos três mulheres entre as principais candidaturas à presidência. No dia a dia, no ônibus, na padaria, no nosso trabalho, nunca deixamos de escutar sobre a aparência delas. Nas redes sociais, a mesma coisa. Muitos defendendo as candidaturas usando de machismo e misoginia.

Esperávamos ao menos que fosse diferente nos debates, mas não foi. De Eduardo Jorge, falando do corpo magro da Marina, a própria Marina falando do corpo gordo da Dilma – ambos em tom de deboche – e até mesmo Luciana Genro, que falou sobre a aparência das suas concorrentes em tom de escárnio e de superioridade. Ora, ela não sabe que é considerada pela sociedade racista, machista e misógina – que ela tanto mencionou na campanha – como mais bonita por ser mais branca do que uma, mais magra do que a outra e mais jovem do que as duas?

E foi assim que o segundo turno começou ainda pior. Com uma disputa acirrada entre uma candidata e um candidato o que poderia acontecer? Mais misoginia.

FHC saindo do catacumba para falar, entre outras coisas, da aparência da Dilma, presidenta do país e candidata a reeleição. Dilma é “gordinha”. Dilma sendo xingada de “vaca” chegando ao primeiro debate. Silas Malafaia falando em espancamento dela no Twitter. O tom totalmente desrespeitoso e irônico que o Aécio usou no debate da TV Bandeirantes contra a Dilma, chamando-a de mentirosa o tempo todo. Não vi Aécio tratar assim nenhum candidato homem. E tudo isso sem contar todo ataque misógino da internet, os vídeos, comentários e ameaças. Toda perseguição relacionada à aparência ou ao “jeito de andar”, ao fato da Dilma não ser “feminina”, usando além da gordofobia e machismo, a lesbofobia para ofendê-la.

E isso não vai acabar com a campanha.

Dilma enfrentou a ditadura militar, a tortura e a prisão. Agora segue resistindo à misoginia sem nunca usar da mesma arma.

Na luta contra o machismo, gordofobia, lesbofobia, somos todas Dilma.

Anúncios

2 Respostas para “Somos todas Dilma

  1. O que vejo muito é isso mesmo que você descreveu, pessoas utilizando de discurso machista para angariar votos para o Aécio. Recebo diariamente fotos de mulheres nuas com montagens com o nome do candidato, das mais variadas formas, até utilizando partes das mulheres para montar o nome. Também o que está acontecendo muito são piadas sobre a beleza da esposa do candidato em conotações sexuais. Ontem recebi uma falando sobre a Thammy Gretchen no governo FHC, e no governo PT. Me deixa triste o nível baixo do discurso atingindo na disputa deste ano. Agradeço a oportunidade de aprender com vocês, e desconstruir comportamentos do meu cotidiano.

    Curtir

  2. Nossa, é exatamente o que mais vejo e me dá até vontade de chorar tamanho o desrespeito. Não é fazer política falar sober a aparencia das candidatas, nao é fazer politica falar se Dilma é carismática ou nao, se esta maquiada ou nao. A misoginia é tao enraizada…
    Percebi também que Dilma quase não expõe sua vida pessoal, ao contrário de Aécio, sempre em festas, sempre com namoradas modelos, com abadá em camarotes de festa, passeios (basta dar um google nele para ver a vida dele sendo explorada como uma celebridade). Vou generalizar, mas é mais ou menos assim que funciona: enquanto o homem pode fazer a merda que for sem ter sua imagem pública manchada, a mulher precisa separar o público do privado e guardar o privado à sete chaves para ter UM POUCO de respeito. E mesmo que o privado seja banal, ainda assim, vão achar um jeito de demonizar a conduta dela. Pq? Pq lugar de mulher não é na rua, nao é na politica. Simples assim.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s